Anastasia's News - Noticias de Anastásia

Anastasia Persephone or: A.L.P. Gouthier

Pindorama's Extended Author's Note

A.L.P. Gouthier

Author’s note:

 

My motto as a writer:

LITERATUM UTILITAS IN DEFENS VERITAS

The Use of Literature in Defence of Truth

 

            Everything in this book is factual and none of the tales are imaginary. I do not modify the truth, as credibility is of the utmost importance to me. I have more than once been told that the truth is relative. So the biographical information I present here is the veracity from my point of view. To put it in another way, this is the truth in accordance to Anastasia Persephone. However, I reserve the right only to disclose the whole truth as I progress with my tale at a pace I believe to be appropriate. When I was not certain of a fact, I stated this doubt explicitly.

            This book is therefore in part anthropological, historical, poetic and biographical. As all my books are, or will be, related to the same family saga, whenever possible I used real names. When that was not suitable, I introduced similar appellations generally maintaining the original initials. There are delicate subjects that will always be treated with discretion for the protection of the various people involved. This includes all matters unproven or uncertain. I will never disclose the names of people with whom I am not on good terms, so that my texts will never be a threat to anyone.

            For the sake of genealogy, I have always included a maternal surname when I knew it, and in the case of women, their marriage surnames are mostly added as initials. I have done all my own research because my subject matter progressed and expanded as I made my discoveries of human presence around the earth before antiquity. I have not employed an editor to organise my material, trusting only in my own memory to do the job.

            As a writer, I have signed my work using the three initials of my maiden name in addition to my marriage surname. In the narrative, however, I refer to myself as Anastasia, or Anastasia Persephone, who is the narrator and often a main character. I must make it clear that this persona was a creation of mine at a time when I feared exposing myself, for reasons that I will explain later.

The choice of a name for the narrator was simple. As I do not mention the names of living people, I chose the designation Anastasia because it is similar to my own name. As one of my initials is P, I thought it appropriate to adopt the name Persephone, also because I was married to a Greek. In Greek mythology, Persephone was a human who married the king of Hell. How very apt!

            When I started to write this book, it was meant to be the first volume of a family saga that started as far into the past as I could find the slightest vestige of familial links. So I walked backwards through the centuries until the first century of the Portuguese era. But along this track, in the eighteen hundreds, I found a forebear on my father’s side who was a Botucudo Indian. I followed the trail of her people and at doing so, I travelled back to 15,000 BC through the long road that her people took to arrive in the Pindorama. Later, when I trailed my mother’s family trajectory, I was faced with no less fascinating an ancestor as the renowned Chica da Silva. I therefore took a close look into her mother’s ethno, as it had now also became my own. So I went to Africa along with Chica’s mother, who was from the Guinea, on the western coast of the continent across the Atlantic from the Pindorama. I therefore ask forgiveness if I use in this book terms, which now am told have become an inappropriate reference to the people of African origin. But in reality we all came from Africa one day, and the more recent is our racial mixture, the more perfected humans we are - free from health damaging genetic traits that assail specific ethnic groups.  

            As this book was originally intended to be solely biographical, it was formulated to read as a story that in the more distant future would possibly be thought of as fiction. This is what usually happens to biographies of people who are not I the public eye. And this is the case of most of my characters who are not likely to achieve lasting or worldly fame.  And as a writer primarily of family sagas, I utilised scientific facts and historical data pertinent to the subject matter, as a means of giving further interest to the main narrative, and to help place it in time. Therefore even in a book as informative as Pindorama, I included passages of a very personal nature as maintain a link to the biographical connection I have chosen to establish throughout all of my books.

            It is important to note that I am not a historian and therefore did not present a listing of my electronic source, nor detailed references to chapters and paragraphs in footnotes. And at this point, I do not want to make Pindorama a purely non-fiction production, eliminating the personal content.

 I always mix styles of composition, from romance to historical and from essays to poetry. This is my chosen form.

            But I must report that the information obtained through research was obviously taken from sources in the public dominium. And all of the illustrations used where taken from open sources in the internet. I do however, in the text, name the authors of specific information presented.

Still on the subject of research, I wish to point out that my familiarity of many western idioms proved invaluable to reach sources, which were often not translated into the other languages. For instance, when I was searching for the origin of the term ‘Mequetrefe’ I found a link presented in the old Venetian dialect, which I found to be a mixture of various Latin idioms. That happened also with references to Old English and Trade French. I have great interest in etymology, which is of great aid in understanding the distant past. Sometimes when everything else is forgotten, only the words carry the memories of time.

            My first purpose as a writer is to proclaim the story within my family sagas and to achieve this aim, I wish to produce literature that is not always too academic or scientific so that it reaches for a wider public, which will help me achieve my second purpose. This is the commercial aspect, in tune with my political orientation of a confirmed capitalist. As such, I think that each one of us should find ways to make ourselves economically independent so as not to be a burden to society. Therefore, by my literary efforts, I will be able to produce and accumulate capital of an origin completely independent from inherited assets. In my creed, the amassing of honest wealth or just more humble pecuniary reserves, are not in any way sinful but instead a necessity to ride out periods of hardship that certainly come to us all. Lastly, in my own light hearted and non-professional manner, I tried to extend the history of my country of birth beyond the time of the Portuguese invasion. For this purpose, I presented my history of the Pindorama and of the Botocudo people among which I am proud to announce that, I have an ancestor, as I am also flattered to have a slave who became a queen, as a forebear on my mother’s side.

             I am aware of the fact that I will face a barrage of criticism from academics for my lack of knowledge of method, from serious researchers for my lack of professionalism, from historians for my limited explanation of source and intromission into an field which is not mine, from other writers for the fact that I am just an untutored beginner, from the leftists for being a disgusting right wing, from the less economically provided for being a spoilt heiress, from those not as intellectually capable for being arrogant…

Is this enough? It is just the story of my life. After all, I am only a business administrator. But I will face it all stoically in silence, from the distance and security of my present habitat in the island of peace.

 

            Should you wish to contact the author A.L.P. Gouthier you may do so via the internet: anastasiapublications@dayrell.com.br

Or access the author’s blog: www.anastasiapersephone.com

Or again, meet me at Facebook via: Anastasia Persephone Gouthier.

 

 A.L.P. Gouthier, 2015.

Proposito da Autora

Critica de Arthur Menezes

Cuidado, Critica positiva em andamento.

Admirável  Anna Gouthier,

Que CORAGEM!!!
A Guerreira se pintou mesmo para Guerra hein!?  

Li e reli algumas vezes sua "Nota da Autora"...::: É provocante!  É visceral!  É originalíssima!

Nunca vi em nenhum Livro, um (a) Autor (a) se expor ou se preparar para se expor dessa maneira.

A originalidade de sua postura, por si só, já despertará muuuuita curiosidade. 

Nos cinco primeiros parágrafos  já se admira seu didatismo matemático revelando que a organização foi minuciosa
e revela um cuidado delicado e altamente responsável seja com os citados, seja com a Verdade.

Essa Introdução já canaliza o Leitor para um ambiente de seriedade, nota-se de imediato que trata-se de um trabalho sério e respeitoso.

Até que chega-se ao 6º parágrafo e, no final deste, o clima esquenta de verdade!

"Na mitologia deles Persephone foi uma humana que se casou com o deus do inferno. Quão apropriado!"


O texto vinha tão racional e ...de repente...um trovão emocional mostrou a verve viva e latejante das emoções que vão jorrar nos Livros.

Sei que foi uma narrativa espontânea....Mas que ficou excelente como "gancho" é inegável.


Ficou parecendo uma doce pimenta para temperar e instigar a Leitura! 

Valeu!  Porque depois dessa frase a leitura embala mesmo.

E, certamente, a própria nota da autora já vem pra "estremecer" brios aos que vestirem a carapuça né.

Em seguida, achei cativante, sobretudo, a sinceridade orgânica de como as intenções e ideias foram surgindo e se conectando.

Junto da sinceridade nota-se também uma combinação fértil de humildade com ousadia, pois ao mesmo tempo que se coloca como novata na seara literária,
percebe-se também uma vontade legítima de buscar os melhores caminhos para registrar histórias e emoções, usando como ferramenta uma exposição autêntica.

 

Esse seu desprendimento é muito interessante pois dá a sensação de que o leitor será um cúmplice solidário de Anastasia Persephone.

Sei também que essa postura foi espontânea, mas não posso deixar de apontar que traz reforço para cativar e fidelizar o Leitor. 

Isso é bom e é importante.

 

E nos últimos parágrafos: uma surpresa e uma certeza.


A surpresa foi por revelar o interesse comercial da Escritora. 

Não me recordo, jamais, de ter visto um Escritor revelar isso.

Nem aqueles que vivem exclusivamente do que escrevem.

Isso só reforça mesmo a imagem que a Escritora suscita .... Parece um vulto feminino,
despido em Praça Pública envolto apenas por um tecido esvoaçante,
candidatando-se a despertar todo o tipo de reações, desde aplausos e admiração .... até a fúria e a revolta.

 

Lendo sua Nota da Autora, me vem a mente aqueles quadros célebres da Revolução Francesa e da Joana D' Arc.

Parece o anúncio da versão de uma Odisseia Contemporânea.

E no fechamento a certeza da fibra pessoal da Anastasia.

Dá pra sentir a GUERREIRA lançando o Desafio, pintando o rosto,
levantando a cabeça e já colocando os opositores, certamente, como derrotados.

E implicitamente convidando-os para também ficarem em Paz,
pois a Guerreira já está em Paz, pois estando ao lado da Verdade, já também possui, por certo, a Vitória!

 

Enfim, curti demais essa montanha russa que a Nota da Autora já lança como "aperitivo".

Promete!

E Montanha russa costuma ser muito mais disputada do que o Carrossel.


Mas o que me impactou além de toda essa pluralidade de sensações, foi a sua CORAGEM.

Sei que a mesma sensibilidade que permite fluir essas emoções nos torna vulneráveis e nos exige um esforço antagônico para suportar as reações.

Ter reações fortes ou imunes para ações sensíveis e vulneráveis é um desafio pessoal intenso.


Mas, com essa Introdução, vejo que Anastasia Persephone está com sua estrela muito bem posicionada.


Ao terminar de ler agente fica com um gostinho de "quero mais" !!!

 

Forte Abraço,

Arthur Menezes 

Nova Nota da Autora de Pindorama

A.L.P. Gouthier

Nota da autora:

 

Meu lema como escritora:

LITERATUM UTILITAS IN DEFENS VERITAS

O Uso da Literatura em Defesa da Verdade

 

            Tudo neste livro é factual e nenhum dos contos é imaginário. Eu não modificarei a verdade já que credibilidade é de grande importância para mim. Eu escutei, mais de uma vez, que a verdade é relativa. Portanto eu declaro que a informação biográfica que apresento aqui é verdadeira do meu ponto de vista. Colocando de outro modo, essa é a verdade de acordo com Anastásia Perséphone. Entretanto eu reservo o direito de somente divulgar toda a verdade ao longo da minha história, à medida que julgo isso pertinente. Enquanto escrevo, quando eu não tenho a certeza de um fato eu explicitamente declaro a minha incerteza.

            Esse livro é, portanto, em parte antropológico, histórico, poético e biográfico. Como todos os meus livros são ou serão relacionados a mesma saga familiar, quando possível usarei nomes reais. Quando isso não é aconselhável eu empregarei apelações semelhantes geralmente mantendo as iniciais originais. Haverá assuntos delicados que serão sempre tratados com discrição para a proteção das diversas pessoas envolvidas. Esses temas incluem todas as questões não comprovadas ou incertas. Eu nunca escreverei o nome de pessoas com quem eu não me dou bem, e portanto o que registro nunca será uma ameaça para ninguém.
            Para o proposito genealógico eu sempre incluí o sobrenome maternal quando eu os conhecia, e no caso das mulheres os sobrenomes de casamento geralmente são adicionados como iniciais. Eu fiz toda a minha pesquisa porque o meu assunto expandiu e progrediu através de minhas descobertas sobre a presença humana pelo mundo no período antes da antiguidade. Eu não empreguei ninguém para o papel de editor de meu material, confiando para isso somente na minha memória.

            Eu decidi, nesse livro, usar letras maiúsculas não somente para nomes próprios, mas também para nacionalidades e idiomas. Isso foi justificado pela grande incidência de nomes geralmente desconhecidos de civilizações da pré-história e de período logo prévio à antiguidade. E também fui obrigada a criar uma versão de português para o nome dos povos Negritic, em Inglês. Acredito que esses Negríticos viveram muito antes dos povos Negritos, sobre os quais se encontra pesquisa em Português.
            Como escritora eu assino utilizando as três iniciais do meu nome de solteira adicionado do meu sobrenome de casada. Na narrativa, no entanto, eu refiro a mim mesma como Anastásia, ou Anastásia Persephone, a qual é a narradora e muitas vezes personagem principal. Devo deixar claro que esta persona foi uma criação minha de uma época na qual eu tinha medo de me expor, por razões que explicarei mais tarde.

            A escolha do nome da narradora foi simples. Como regra, eu não uso o nome de pessoas vivas, portanto, a escolha do nome Anastásia foi porque é semelhante ao meu. Persephone também começa com umas das minhas iniciais, mas eu achei o nome apropriado porque eu fui casada com um grego. Na mitologia deles Persephone foi uma humana que se casou com o deus do inferno. Quão apropriado!

            Quando eu comecei escrever esse livro pensei que ele seria o primeiro volume de uma saga familiar, que teria início num passado longínquo, o mais cedo que eu encontrasse qualquer vestígios de ligações familiares. Assim caminhei através dos tempos até o primeiro século da era portuguesa. Mas ao longo desse caminho, no século XVIII, eu encontrei uma antepassada do meu lado paterno que foi uma indígena Botocuda. Eu segui ao longo da longa estrada que trouxe o seu povo para chegar até a Pindorama. Mais tarde, quando eu segui a trajetória da família de minha mãe, eu encontrei no meu caminho uma fascinante antepassada, que não outra que a famosa Chica da Silva. E portanto, assim, eu dei renovada atenção pela etnia de sua mãe, já que descobri com ela uma ligação familiar. Então fui à África com a mãe da Chica, que era da Guiné, no litoral do oeste do continente Africano. Em realidade nós todos viemos da África, e quanto mais recente for a nossa mistura racial, mais aperfeiçoados somos como seres humanos – e pois assim possivelmente livres de problemas genéticos característicos de etnias especificas.

            Como esse livro foi idealizado como uma biografia, eu o formulei para um dia, no futuro distante, ser talvez visto como ficção. Isso é o que acontece com biografias de pessoas que não são públicas, e esse é o caso dos meus personagens, que não certamente não terão fama duradoura ou mundial. Como escritora principalmente de sagas familiares, eu uso dados científicos e históricos para dar mais interesse à narrativa principal e para ajudar a localizar a sua história no tempo. Portanto, mesmo num livro informativo como Pindorama, eu incluí passagens de uma natureza pessoal para manter a conexão biográfica que escolhi dar a todos os meus livros.

            É importante frisar que eu não sou uma historiadora e assim não listei a minha fonte de pesquisa eletrônica ou detalhei a bibliografia com referências a capítulos e parágrafos em notas de rodapé. E nesse ponto, eu não quero fazer de Pindorama uma produção puramente não-ficção, eliminando todos os aspectos pessoais. Eu sempre misturo estilos de composição, de romance a histórico e de ensaio a poético. Esse é o formato que escolhi.

            Mas eu posso declarar que a informação exposta foi obviamente tirada de fontes de domínio público e que todas as ilustrações usadas foram tiradas de fontes abertas na internet. Entretanto, através do texto, menção é feita de autores de informações especificas utilizadas. Ainda no assunto de pesquisa, eu informo que a minha familiaridade com idiomas ocidentais provou essencial para o alcance de fontes pouco traduzidas. Por exemplo, quando eu estava buscando a origem da palavra “Mequetrefe”, eu encontrei uma ligação com o antigo dialeto veneziano, no qual eu reconheci mistura de vários outros idiomas latinos. E assim foi também o caso com referências para o inglês-antigo e com o antigo-francês- comercial. Eu me interesso muito por etimologia que é uma grande ajuda para entender o passado distante. Quando tudo mais tiver sido esquecido somente as palavras guardarão dentro delas lembranças do passado.

            O meu primeiro proposito como escritora é o de proclamar a história contida nas minhas sagas familiares, e para atingir esse alvo eu quis produzir literatura que não era sempre demasiadamente acadêmica ou cientifica, para que seja de interesse a um público mais amplo, o que me ajudará a alcançar o meu segundo objetivo. Este é o aspecto comercial, de acordo com a minha orientação política, de uma capitalista inveterada.  Assim eu acredito que cada um de nós deve encontrar um meio de fazermo-nos economicamente independentes para não ser um peso para a sociedade. Portanto, através de meus esforços literários eu conseguirei produzir e acumular um pouco de capital, de uma origem independente de bens herdados. No meu credo, o acumulo de riqueza honesta. ou de apenas mais humildes reservas pecuniárias, não são de modo algum pecaminosos, mas em vez disso uteis para sobreviver os períodos de infortúnio que acontecem com todos nós. Finalmente, no meu jeito informal e não profissional, eu tentei estender a história do meu país de nascimento além da época da invasão portuguesa. Com essa finalidade eu apresentei a minha história da Pindorama e do povo Botocudo, entre os quais, eu me orgulho a informar que tenho uma ancestral, assim como eu também gloriei-me de ter uma escrava que se tornou rainha, como ascendente do lado de minha mãe.

            Eu estou ciente do fato que irei enfrentar uma enxurrada de crítica dos acadêmicos pelo meu pouco conhecimento de método, dos pesquisadores sérios por meu não profissionalismo, pelos historiadores e pela limitada explanação de minhas fontes e pela intromissão em campo que não é meu, de outros escritores pelo fato de que eu sou apenas uma não treinada principiante, dos esquerdistas por ser uma horrível partidária da direita, por aqueles menos economicamente afortunados por ser apenas uma herdeira mimada, por aqueles menos intelectualmente dotados por ser arrogante...

Isso basta? É apenas a história de minha vida. Afinal, eu sou apenas uma administradora de empresas. Mas eu enfrentarei tudo estoicamente em silencio, da distância e segurança do meu presente habitat na ilha da paz.

 

            Desejando contatar a autora A.L.P. Gouthier favor fazê-lo diretamente através de seu site na internet: anastasiapublications@dayrell.com.br

Ou acesse o blog da autora: www.anastasiapersephone.com

Ou ainda, veja-me no Facebook via:  Anastásia Persephone Gouthier.

 

A.L.P. Gouthier, 2015

From Anastasia's Hydeaway Peça do escoderijo de Anastásia

Passagem livro A Guerreira

Hades and Persephone

A Guerreira, capítulo: Grosvenor Inferno

            Na década de oitenta eu era casada com o pai dos meus filhos e nós viviamos em Londres, na propriedade que ele herdou de seus pais, em Grosvenor Square. Edward Hades Makarim era um homem de meios e de uma família tradicional egípcia, de origem grega, que ja estava na Inglaterra por duas gerações. Os nossos filhos Alexandra Xena e Michael Perseus eram, na época, ainda muito jovens. Eu não estava feliz neste casamento, nenhum de nós estavamos, e quase todos os dias com ele tornaram-se infernais. Eu ansiava para deixa-lo, mas eu sentia que eu tinha que tolerá-lo por algum tempo por causa dos nossos filhos. Por ocasião da doença de meu pai, e eventual morte, eu tive que ir para o sul, para o Brasil, com os nossos filhos para viver lá por um número de anos. Isso serviu como um catalisador para me dar coragem para a separação definitiva e oficial.

          "Eu conheci a encarnação de Mephistopheles, Edward Hades, em Londres, em algum momento no início dos anos setenta. Nós eramos parte de um grupo elegante e sofisticado de pessoas composto por nobres alemães e austríacos, belos Dutch ocasionais, armadores gregos e filhos do corpo diplomático que se misturavam com belezas italianas de boas famílias, filhas brasileiras e argentinas de grandes fortunas, e uma pitada de moradores ingleses elegantes - que portavam bons sobrenomes, só para citar algumas das pessoas que compunham este jet set internacional. Só os melhores restaurantes e casas noturnas exclusivas para sócios eram freqüentadas. Todos nós nos vestiamos elegantemente, as mulheres com jóias, e viajavavos ao redor do mundo durante as férias de verão, mas sempre voltavamos para Londres, no outono, para o início de uma nova temporada. Lembro-me claramente quando Hades pela primeira vez me fascinou pelo poder de seus olhos azuis, enquanto ele movia-se elegantemente na minha direção. Isso foi no vestíbulo do inferno, Tramps, localizado na Jermyn Street. Hades era dotado de grande magnetismo que encantou e envolveu aqueles sobre ele. Lembro-me do som de seu riso e a profundidade de sua voz. Ele foi era prezo pela sua natureza que desejava controlar o mundo inteiro e assim, instintivamente, manobrava de qualquer forma para atingir o seu propósito. Eu fui prisioneira do seu feitiço para os próximos 14 anos. Nossas crianças ambos têm os olhos dele, de um azul profundo raramente encontrada na Terra. "

Grosvenor Square Praça Grosvenor

Passages from book: The Warrior

Hades and Persephone

The Warrior, Chapter Grosvenor Hell 

            In the eighties decade I was married to the father of my children and we lived in London, at the property he inherited from his parents in Grosvenor Square. Edward Hades Makarim was a man of means from a traditional Egyptian family of Greek origin that had been in England for two generations. Our children Alexandra Xena and Michael Perseus were, at the time, still very young. I was not happy in this marriage, neither of us was really, and most days with him became hellish. I longed to break up but I felt that I had to tolerate it for a while because of the children. On the occasion of my father’s illness and eventual death, I had to go south to Brazil with the children to live there for a number of years. That served as a catalyst to give me courage for the final and official separation.

          ‘I met Mephistopheles’s incarnation, Edward Hades, in the London scene sometime in the early seventies. We were part of an elegant and sophisticated group of people composed of German and Austrian nobility, the occasional Dutch beaux, Greek ship-owners and the children of diplomatic corps who mixed with Italian beauties of good families, Brazilian and Argentinian daughters of fortunes, and a sprinkling of stylish English locals - posing good surnames, just to mention a few of the people who composed this international jet set. Only the best restaurants and exclusive membership-only nightclubs were frequented. We all dressed elegantly, the ladies be-jewelled, and travelled around the world during the summer holidays, but always returned to London in the autumn, for the start of a new season.  I remember clearly when Hades first held me mesmerized by the power of his blue eyes, as he elegantly moved in my direction. This was in the fashionable vestibule of hell, Tramps, located in Jermyn Street. Hades was endowed with great magnetism that enthralled and involved those about him. I remember the sound of his laughter and the depth of his voice. He was bound by his nature to try to control the whole world about him and instinctively manoeuvred, by guile and by charm, to achieve his purpose. I was a captive of his spell for the next fourteen years. Our children both have his eyes of a deep blue, rarely found on earth.’ 

The direction of life - O curso da vida.

Março - Passagem de: A Guerreira

          Nós traçamos uma trilha para ser seguida através da vida? Eu sempre fiz isso. Sou planejadora por natureza. É verdade que planos nem sempre se realizam, mas é mais provável que isso aconteça se você traçar o curso. Quando circunstâncias tiram-nos do nosso caminho devemos concentrarmos para encontrar a nossa trilha novamente. Eu não sou dada a tomar riscos desnecessários, apesar de muito corajosa e aventureira. Sempre me orientei, através da estrada da vida, pelo farol dos meus objetivos finais, e sempre fiz muito esforço para não me desviar desse caminho. O que eu sempre quis? Foi ser a governante da minha própria vida.
          Até os meus 30 anos de idade eu sempre pensei que sonho do meu pai de riqueza e glória eram ideais. Ele me havia possibilitado uma vida tão feliz até então que era normal que eu tivesse querido prosseguir com os mesmos sonhos. Então eu me preparei para isso, estudando Administração de Empresas, que eu gostei muito. Infelizmente, um dia, a minha ideia sobre a conveniência de uma vida no Brasil mudou e eu tive que retraçar os meus planos. Eu, entretanto, mantive em mente o mesmo objetivo final que eu sempre tive. Esta drástica mudança de planos foi muito difícil e me causou muita dor. Cada passo teve de ser tomado com cautela e também com infinita ousadia e medo. Precisei de muitos anos de sacrifício e solidão para outra vez encontrar o meu caminho.
          Eu sempre fui uma pessoa prática que acredita que os nossos interesses culturais e artísticos devem ser perseguidos após de nos prepararmos para uma atividade de vida monetariamente séria. Eu ainda penso assim pratico o que prego. Mesmo agora que dedico tanto tempo à literatura eu ainda cuido de meus negócios com grande dedicação.

March - Passage of The Warrior

            Do we trace a trail to follow through life? I always did, I am a planner by nature. It is true that plans do not always realise but they are more likely to so if you plot a course. When circumstances lead us from our path we must give great thought to find our trail again. I am not a person given to taking chances or unnecessary risks though I am very courageous and adventurous. I have always guided myself, through the road of life, by the beacon of my ultimate goals, and I went to great length not to allow anything to deviate me from it. What did I always want? I willed to be the ruler of my life.

I always thought, until I was at least thirty years old, I that my father’s dream of wealth and glory was ideal. He had provided me with such a happy life that it was normal that I should have wished to pursue the same dreams. So I prepared myself for it by studying Business Administration, which I enjoyed very much. One day, unfortunately, my considerations about the desirability of life in the Brazil changed and I was forced to re-plot the course of my existence. I did, however, keep the same ultimate goal in mind. This drastic change of plans though was very difficult and caused me great pain. Each step of change of plans had to be taken with caution but also with infinite dare and fear. It took me many years, sacrifice and solitude to find my path again.

I have always been a practical person who believed that cultural interest must be pursued after one prepared oneself for a serious money earning activity. I still think this way and practice what I preach. Even now that I devote so much time to writing I still run my business with great dedication.

Passage from The Warrior

Anastasia

First part of an introduction into my book: The Warrior, to be publish later this year.

 

“No word is an endless message.” By an unknown Japanese author.

“Words are infinite messages.” By A.L.P. Gouthier

 

Both of the opposing quotes above are true. What is different between them is the point of view. The first one was written by someone who meant, shortly afterwards, to commit Hara-kiri or the ceremonial Japanese suicide. There was, therefore, for him not enough time or the will to compose too many words. The second statement was written by myself, during the third part of my life in the twenty-first century, when I craved to tell the world my version of my life and the story of those who lived by me. This longing for exposure on the part of someone who previously had a horror for publicity is explained by the fact that during my lifetime, my family and my own self, attracted so much unwelcome attention and had our characters shred to pieces first locally and later even by the national press. I do not mean in this particular book to expand upon the stories of our tribulations but I only aim to permit a greater comprehension of my words, as expressed in my poems. My readers will have to wait the publication of the ‘Horizon Saga’, which is the story of my family, and the next series ‘Visions of Anastasia Persephone’, which will be an autobiography, to understand some of the allusions I here make. However, nowadays, I most definitely feel that it is my mission to defend my family against the moral injury suffered, by relating to the world our own version of the events which had raised so much interest, and were unfortunately distorted in the telling or just purposely twisted to suit the will of the tellers, or of our enemies.

Now I have to present myself knowing that as I write, you - my readers, might be reading my words in my lifetime or only much later, when I have become just a spectre of the past. I was born in the city of Belo Horizonte, situated in the mountains of Minas Gerais, in the heart of Brazil. As a first-born child of wealthy parents, who adored and protected me throughout their lives, I had everything I could have desired. I was given a very good and extensive education and travelled around the world whenever I wished, always enjoying the best that the world could offer. I was nineteen years old when I went to university in America and was, at the time, full of plans of going back to Brazil, to work with my father at his very extensive business interest. As time went by many things changed, both at home and within myself, that made me not wish to return to live in Brazil. Every year though, without fail, through all the years of my life, I went back home for at least two months to be with my family, and very especially with my mother.

Trecho de livro A Guerreira

     "Nenhuma palavra é uma mensagemsem fim.Autor japonês desconhecido.

"As palavras são mensagensinfinitas." De A.L.P.Gouthier


 
Ambas as citações acima são verdadeiras, apesar de opostas. O que é diferente entre elas éoponto de vista.A primeira foi escrita por alguém que pouco tempo depois cometeria Hara-kiri, ou suicídio japonês cerimonial.Portanto não havia para ele, tempo suficiente ou a vontade de compormuitas palavras. A segunda frase foi escrita por mim mesma,durante a terceira parte da minha vida no século XXI, quando eu ansiava contar ao mundo a minha versão da minha vida e da história daqueles que viveram proximos de mim.Este anseio de exposição por parte de alguém que anteriormente tinha horror a publicidade é explicado pelo fato de que durante a minha vida, minha família e meu própria,atraímos tanta atenção indesejada tivemos  nossas personagens fragmentadas primeiro localmente e, mais tarde tambem pela imprensa nacional.Eu não quero neste livro expandir sobre as histórias de nossas tribulações. Mas somente desejo permitir maior compreensão de minhas palavras, expressas em meus poemas. Meus leitores terão de esperar a publicação daSaga do Horizonte’, que é a história da minha família,e das 'Visões de Anastasia Persephone’ que será uma autobiografia,para compreender algumas das alusões eu ai faço.

No entanto,hoje em dia, eu definitivamente sinto que é minha missão defender a minha família contra o prejuízo moral sofrido,ao relatar ao mundo,a nossa própria versão dos acontecimentos que suscitaram tanto interesse, e que foram ou distorcidos na narração,ou propositalmente forjados para atender a vontadedos nossos inimigos.
            Agora eu tenho que me apresentar, sabendo que, enquanto escrevo, vocês -meus leitores, podem estar lendo as minhas palavras ainda durante aminha vida, ou só muito mais tarde, quando eu terei me tornado apenas um fantasma do passado.Eu nasci na cidade de Belo Horizonte,situada nas montanhas de MinasGerais,no coração do Brasil.Como primeira nascida, filha de pais ricos, que me adoraram protegeram ao longo de suas vidas, eu tinha tudo o que poderia ter desejado. Foi-me dada uma educação muito boa e extensa, viajei por todo o mundo sempre que queria, apreciando do melhor que o mundo tinha a oferecer.Eu tinha dezenove anos quando fui para a universidade nos Estados Unidos e estava, na época,cheia de planos de voltar ao Brasil,para trabalhar com meu pai em seus vastos interesses comerciais. Quando o tempo passou muitas coisas mudaram, tanto em casa como dentro de mim, que me fizeram não querer voltar a viver no Brasil.Todo esse tempo porém, sem falta,em cada oano de minha vida, voltei à casa pelo menos por dois meses para estar com a minhafamília, e muito especialmente com a minha mãe.

Write a new comment: (Click here)

SimpleSite.com
Characters left: 160
DONE Sending...
See all comments

| Reply

Latest comments

23.06 | 23:47

Hi Anna ! Congratulations for your site ! Very touching, the passage in which you expose your sorrow for not being able to cooperate with your father...

...
15.02 | 18:09

Boa tarde, agradecia o seu contacto para o meu email, pois precisava de esclarecer um assunto relativo a um Prédio em Lisboa. Melhores cumprimentos,

...
21.01 | 17:57

Congratulations! Alls sucess

...
23.05 | 22:16

Wow, what can I say? Congratulations Anna, well done!!
Um grande beijo saudoso! <3

...
You liked this page
Hi!
Make your own website like I did.
It's easy, and absolutely free.
AD